sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Uma Canção



Nós dois rima com depois e depois não rima com mais ninguém.

Se eu fosse um cara muito doido, eu rimava depois com espírito do além.

Mas como quero rimar com nós dois, só temo depois que você não vem.

Eu sinto que a vid’é muito fácil, só depende do passo que você mantém.

O passo é aquilo que vem primeiro, mas primeiro pare um pouco e pense bem.

Pensando bem, o além não existe, é só meu estado de espírito que insiste em não querer ir além.

A finitude é uma virtude, a menos que tu seja infinito.

O medo é o segredo da vida, se tu corre e não se prende ao grito.

Na vida há menos razão do que a pedra que sempre cai no chão.

Se um dia a pedra subisse, eu entenderia a razão dessa canção.

Mas, pelo sim, pelo não, sigo cantando pr’acompanhar meu violão.

Engraçado, porque o meu violão só interpreta as vontades do coração.

O coração só interpreta o qu’eu sinto.

Como 2 com mais 2 é igual a cinco.

E já que voltei pra nós dois, me diz.

Que horas você vem?

2 comentários:

  1. Te digo que tudo isso é tão desconexo quanto a realidade em que vivemos. E porque precisa ter conexão? (semserpraacessaroorkuit);P

    Ótimo post! ^^

    ResponderExcluir
  2. Tudo pode ser tudo. Basta ter lógica.

    ResponderExcluir